17 de abr de 2012

Guitarras fofas e barbas crescidas


Na segunda década desse novo século, tenho sido advogado involuntário de ritmos e canções e intérpretes jamais imaginados. Não que eles precisem da minha defesa, é claro.

No caso de Marcelo Camelo e sua antiga banda Los Hermanos, a defesa possível vem de um batalhão de fãs e de uma crítica pra lá de benevolente.

Camelo e seus Hermanos são parentes poéticos da geração de Renato Russo? Podem até ser. Mas haja deprê disfarçada de melancolia fofa.

No rastro do líder e ex-líder de banda (porque a banda volta e meia volta), surgiram outras bandas e outros barbudos. O que seria melhor para a evolução da música brasileira: bandas melancólicas acústicas ou uso esporádico de barbeadores elétricos? Os fãs decidem.

Um comentário:

Célia Rangel disse...

BARBEADORES JÁ!!! [risos]...
Bj. Célia.