31 de jul de 2009

Artista com pedigree, público vira-lata

Em geral, o público costuma ir a espetáculos para se deliciar com a presença do seu artista idolatrado-salve-salve, não é? É.

Nesta sexta, quis conhecer de perto uma pessoa que eu nem imaginava existir: a cantora Isabella Taviani. Como bônus, conheci seu séquito de fãs, concentrados na porta do teatro do Sesi Piracicaba desde a tarde do show.

Com cinco minutos na internet, descobriria o essencial de Isabella. Mas achei por bem sentir a primeira impressão, que é a que fica, ficando na platéia.

A artista entrou no palco pouco depois das nove da noite, acompanhada de seu violonista. Era o último show de uma turnê, às vésperas do lançamento de mais um CD inédito.

De cara, ou de ouvido, percebi a linhagem à qual Isabella pertence: a das cantoras imponentes e suaves, com a balança pendendo para a imponência. Imponência, eu disse.

As canções têm uma pegada rítmica que reforça o convite à exploração de imaginações nunca dantes navegadas. Certas fanáticas de plantão, mordendo a isca jogada pela intérprete, ameaçavam perder a linha.

Nunca ouvi tantos adjetivos dirigidos a uma mulher em tão curto espaço de tempo. Discreta, ora a cantora agradecia, ora se encabulava. Mal Isabella enxugava o suor, uma voz na platéia gritava: "Tô com vontade de me enrolar nessa toalha!" Seguiram-se outras frases de fazer corar um popstar de pedra.

Uma hora e dez minutos depois, show encerrado. Naquele vácuo entre o fim da função e o inevitável bis, mais um brado retumbante de fã traduzia o sentimento geral: "Você foi embora mas eu te amo, viu!"

Antes que a galera devorasse a ídola de modo nada antropofágico, eu é que tratei de me escafeder dali. Antes mesmo da volta para o bis.

A artista tem pedigree, mas o fã-clube carrega uma aura de viralatice ancestral em suas coleiras.

25 de jul de 2009

Desenhos, até que enfim!

Tem desenhos novos deste cartunista em dois sites.

Na nova Jam Session do Flávio.
E na Provincia Online.

Divirtam-se.

24 de jul de 2009

Sem salto alto

Fiz uma lista de cem novas cantoras nesta postagem. Após a publicação dos nomes, descobri mais uma dúzia. Num comentário para o blog, disseram que esqueci mais uma. O toque foi anônimo, mas a cantora é de verdade.

Escolhi uma das intérpretes da lista para ouvir, gostei e comentei no blog. A escolhida gentilmente me respondeu. Uma frase dela a respeito da minha rasgação de seda sem jabá.

"Desamarrou meu dia!"

Essa é a vantagem da internet. Permite que a gente fale com as pessoas de igual pra igual, mesmo distantes. Imagine se eu teria esse tipo de contato com as divas da MPB dos anos 70, por exemplo.

Voltemos à nossa programação normal.

Frases de efeito para o seu fim de semana

- Urso polar para o filho, num exercício de otimismo, ao ver seu habitat derretendo: "Fica frio".
- No lançamento de seu DVD, Zezé Di Camargo disse não aguentar mais "É o amor". Não é o único.
- É complicado entender o outro lado numa discussão. Principalmente quando seu adversário te olha de lado.
- Não se convida adversário para seu aniversário.
- 50 anos de carreira do Rei. Data redondinha, artista quadradão.
- As mulheres querem homens transparentes. Mas fazem questão de preservar seus mistérios.
- Neste mundo fast-food, vai faltar gente de atitude.
- Quem perde o celular perde a cabeça também.
- Amigo (da onça) é coisa pra se guardar debaixo de sete chaves (num presídio).
- Ao vencedor: as batatas. Ao perdedor: que vá plantar batatas.
- Eu sou do tempo em que "tribo" era coisa de índio, cara-pálida.
- Uma mina independente, ou quase: "Eu me acostumei a ficar só. Mas adoraria dizer isso no ouvidinho de alguém".
- O pessoal da metrópole é tão só que já viajei 200 km, vindo do interior, para aproximar pessoas que moravam a cinco quadras uma da outra.
- O tal mártir barbudo crucificado não precisou de tuíter para ter seguidores.
- Diálogo empreendedor e conclusivo. "Eu quero chegar lá". "Onde? " "Ah... sei lá".
- Há quarenta anos, um certo homem chegava à Lua. Antes e depois do feito, porém, outros homens já viviam no mundo da Lua.
- São Pedro recepcionando Michael Jackson no céu: "Você não morre mais!"
- Se beber, não dirija. Fique em casa sozinho, tomando cerveja em lata e vendo essas frases idiotas na televisão.
- Se dirigir não beba. Passe a noite num boteco, sendo babá de um monte de malas bêbados que se dizem seus amigos.
- O extrovertido é o viral de si próprio.
- Romário lançou sua biografia e disse que nem a leu inteira. Ele não leu, e ainda quer que a gente faça isso?
- A melhor "rede social" é aquela pendurada na varanda de casa com duas pessoas dentro.

Mais frases aqui.

21 de jul de 2009

Palavras que valem mil imagens

Aqui no blog, tenho me expressado mais com palavras que com imagens. Embora eu me intitule "cartunista".

Todo mundo sabe. Cartunistas são aqueles seres que desenham de tudo, de forma compulsiva.

Participei de intermináveis sessões de ilustração voluntária em guardanapos. Fui percebendo que essa compulsão lúdica tem efetos colateriais graves.

Esse ato, em vez de aproximar as pessoas normais da gente, que é o desejo secreto de todo cartunista, acaba por afastá-las de nós, os compulsivos engraçadinhos. Ora, ver alguém desenhando tem graça somente nos primeiros minutos, depois cansa.

Apesar de co-autor ocasional de rabiscos em botecos e autor frequente de quadrinhos e caricaturas, sempre me expressei também com palavras. Todos os meus projetos, os quais participei e os quais projetei, traziam esses dois "lados". O "lado cartunista" e o "lado escritor".

Já fiz projetos em que bancava o entrevistador. Mero pretexto para arranjar encontros com as minhas admirações. Conheci muita gente interessante assim. Nâo faço o atrevimento de me nomear "jornalista". Senão os diplomados, muitos dos quais queridos colegas, vão me colocar no pelourinho.

O que eu queria mesmo dizer com essa papagaiada? O seguinte.

Por anos e anos, eu achava que deveria escolher entre ser cartunista ou ser escritor. Tenho qualidades e defeitos nas duas áreas.

Mas resolvi que é melhor ser o que eu bem entender.

Tenho dito!
Tenho escrito!
E tenho ilustrado!

20 de jul de 2009

Crianças que não querem ser Paulo Coelho

Um dos meus trabalhos preferidos é a oficina de arte para crianças.

Na oficina, fazemos com a criançada um livro completo, do texto aos desenhos.

Depois, edito o material e lanço o livro numa tarde de autógrafos, junto aos autores: os participantes da oficina.

Os livros das oficinas têm tiragem limitada, mas ficam disponíveis em PDF. Já fizemos obras em parceria com a Secretaria de Ação Cultural de Piracicaba, por meio do Fundo de Apoio à Cultura da cidade, e com a Livraria ParaLer, na extinta filial do Shopping Piracicaba.

Clique nas capas acima e faça o download dos livros de oficinas anteriores.

18 de jul de 2009

Mais frases de efeito...

.. essas e outras estão sempre aqui.

- Celebridades transformam suas vidas privadas em vidas públicas. E o público percebe que essas mesmas vidas são umas privadas.
- O internauta autoritário ficou danado da vida com o tuíter. Lá ele jamais teria a última palavra.
- Quando uma mulher coloca piercing no umbigo, está interessada apenas no próprio umbigo.
-
Ele não fazia nada pra deixar de ser um workaholic.
- T
em médico que deixa a gente doente.
-
Michael Jackson não morreu ainda??
-
Juliana Paes proibiu José Simão de falar dela. A atriz prefere estar rodeada por macacas de auditório.
-
Justiça não é algo a ser praticado por justiceiros.
-
A neurose é tanta pelo fim da vida na Terra que já devem existir casos de ursos bipolares.
-
Quem se leva muito a sério vira piada.

17 de jul de 2009

Na falta de uma, vão cem cantoras

Outro dia, escrevi sobre minha paixão recente pela cantora Doris Monteiro. No final da cantilena, ainda esnobei as cantoras surgidas a partir dos anos 90.

Por mera curiosidade, aliada a uma paciência de Jó, pesquisei na internet quais são as "novas cantoras". Cheguei a cem nomes. Cada uma gravou pelo menos um disco, dos anos 90 até o ano de 2009.

Sei de uma coisa. Por mais que eu tente gostar dessas artistas e mulheres, uma vida é pouco para tanto. E a lista poderia se estender por centenas e centenas de nomes, todos novos em folha.


Érika Rodrigues, Andréia Dias, Ana Paula Lopes, Myllena, Vanessa Bumagny, Barbara Rodrix, Mallu Magalhães, Rhana Abreu, Marina Elali, Maria Rita.

Neyva Alencar, Júlia Simões, Glaucia Nasser, Bebel Gilberto, Fernanda Takai, Barbara Casini, Beatriz Azevedo, Alessandra Leão, Bruna Caram, Céu.

Vanessa da Matta, Cibelle Cavalli, Ana Martins, Anelis Assumpção, Alda Rezende, Ana Cañas, Aline Muniz, Alexia Bontempo, Aline Calixto, Ana Carolina.

Bia Mestriner, Bia Krieger, Camila Costa, Carol Saboya, Carolina Soares, Cássia Eller, Tania Maria, Clara Bellar, Cris Aflalo, Dani Gurgel.

Danni Carlos, Fernanda Abreu, Fernanda Porto, Iara Rennó, Kay Lyra, Luciana Mello, Júlia Ribas, Fabiana Cozza, Zélia Duncan, Ana Costa.

Juliana Valadares, Tânia Mara, Verônica Ferriani, Camila Rondon, Márcia Tauil, Paula Morelenbaum, Fernanda Cunha, Karla Sabah, Lú Horta, Ceumar.

Luciana Souza, Luciana Oliveira, Lua, Luiza Possi, Lívia Lucas, Maísa Moura, Marina de La Riva, Monica Salmaso, Patrícia Lobato, Lu Garcia.

Raquel Coutinho, Renata Adegas, Roberta Sá, Roberta Campos, Renata Rosa, Regina Souza, Sabrina Malheiros, Samira Rahal, Sandra Dualibe, Cely Curado.

Silvana Malta, Rosalia de Souza, Suely Mesquita, Teresa Cristina, Vania Bastos, Ná Ozzetti, Virginia Rosa, Keila Abed, Paula Bressann, Ivete Sangalo.

Aline Angelotti, Ana Flávia, Ana Person, Anabela, Ana Rita Simonka, Andréa Costalima, Daisy Cordeiro, Anna Luísa, Nanda Mazza, Zen Moraes.

UFA!

Eu na MAD - 7

A revista MAD 16 está nas bancas.

A sátira sobre um certo reality show rural foi feita por mim, por dois Raphaéis (Fernandes e Salimena) e um Gian (Danton).

Não foi necessário nos confinarmos numa fazenda para que o texto saísse.

A revista sai todo mês pela Panini, por módicos 6,50 reais.

16 de jul de 2009

140 toques

Abaixo, algumas frases de efeito.

- Os mentirosos sempre atiram a primeira pedra. Mas é sempre pedra-sabão.
- Quem quer mudar corre riscos. O maior deles é o da mudança.
- Hoje os Mutantes valem pelo conjunto da obra, e não pela obra do conjunto hoje. (sobre a música nova dos Mutantes, não os da novela)
- Mulherengo se defendendo: "Cada caso é um caso".
-
Mais um escândalo no Senado. Férias em julho.

Essas e outras frases você acha aqui.

15 de jul de 2009

Dunga? Ah, não!

Comentário feito para um projeto do Radialismo do Senac, curso do qual sou aluno. Só assim mesmo pra eu me animar a falar de futebol. E de Seleção Brasileira, ainda por cima.

Depois que a seleção brasileira ganhou no sufoco a taça da Copa das Confederações, no último mês de junho, todo mundo que falava mal do técnico Dunga teve que calar a boca. Ou será que não? Todo brasileiro tem um jeitinho pra resolver tudo, até para escalar a seleção brasileira e ganhar todas as copas. Se a CBF deixar a seleção na mão dos torcedores que sabem tudo, aí
ninguém segura esse país. Mas enquanto não vem a chance de cada brasileiro ser o chefão da seleção, que para muitos é igual a ganhar na MegaSena, o jeito é o povo se conformar com o Dunga no comando do time.

Como a gente sabe, todo baixinho é invocado. E não precisa ser um baixinho da Xuxa. A mãe da cantora Maria Rita, uma tal de Elis Regina, cantava que nem gente grande, o que só prova o poder dessa galera. O compositor Zé Rodrix, que foi autor de música Casa no Campo, um dos sucessos da Elis, também era um grande artista, embora pequeno em altura. Por incrível que pareça, o ex-jogador Dunga, com esse nome de anão de desenho animado, está nessa classe de gente pequena que pensa grande, muito grande.

Tudo bem, é difícil esquecer as roupas esquisitas do Dunga. Parece que as calças, as camisas e os ternos do técnico saíram do guardarroupa da Branca de Neve. Também é dificil esquecer que o ex-jogador nunca treinou nenhum time na vida, nem o time do seu condomínio, e mesmo assim foi treinar direto a seleção brasileira de futebol.

Para os brasileiros, o que interessa mesmo é ganhar todos os amistosos, ganhar todas as copas, e ainda jogar um bolão. Porque o dia seguinte é a segunda-feira, e o churrasco e as cervejas tem que descer legal, não é não? Se o Dunga não botar os jogadores pra correr no campo, os torcedores botam o técnico pra correr, cedo ou tarde. Enquanto ele continuar ganhando todos os jogos e todas as copas, a gente vai ter que engolir o baixinho, junto com a cerveja e a picanha do domingão!

12 de jul de 2009

Tudo azul no Maracanã



Essa caricatura saiu no Jornal Caricaras 1, em 2007. Lá saiu em preto e branco.

Abaixo, as tiradas que eu coloquei no Twitter, durante o show do Roberto Carlos no Maracanã, ontem à noite. O que não me impediu de chorar cachoeiras (sem ser do Itapemirim) no encontro de Roberto e Erasmo no palco.

- Reis tem sangue azul? Por isso o Roberto Carlos gosta de tudo azul. Porque ele é rei...

- Não sei se o Roberto Carlos já perdeu a majestade. Mas que ele é um coroa, isso ele é...

10 de jul de 2009

Caricaturas ao vivo

Humor toda semana na Provincia Online, com caricaturas, frases de efeito e tudo.

Aqui.

6 de jul de 2009

Querido diário... (parte 6 de infinitas)

- Gripe suína? Não peguei. Espero que ela não me pegue.

- Nada comprovado quanto à exploração de crianças por Michael Jackson. Mas a mídia continua explorando uma outra criança, mesmo post-mortem. O próprio Michael.

- A Flip acabou. A literatura continua uma arte para poucos. Chico Buarque que o diga. Poucos símios de auditório na Feira de Paraty devem ter lido um livro dele. Devem ter gasto os tubos para ir à cidade. Com essa grana daria para comprar todos os livros do Chico. E ainda sobrariam uns trocados para as bananas.

- Fora Sarney? Não participei. Ele até poderá sair, mas os outros ficarão.

- Ana Paula Padrão estreou no Jornal da Record. A humanidade ficou seriamente abalada com essa notícia. Se o Cid Moreira fosse para a emissora, estaria em casa. Já gravou pencas de CDs bíblicos. Benza Deus.

- Estou fazendo curso de Radialismo numa unidade do Senac. Vou mostrar que tenho voz em todos os sentidos, inclusive os duplos.

- Aprendi a escrever longamente, e veio o blog. Aprendi a escrever curto e grosso, e veio o microblog. Escrever, pra que? Tome nota disso.

- A Fazenda? Não vi. Sei que tem um monte de animais lá.

2 de jul de 2009

Caricaturas para crianças


Nós (eu, a mãe e a criança) no Teatro Unimep

Nos intervalos do espetáculo musical infantil Hi5 - 5 sentidos, no Teatro Unimep, em Piracicaba, fizemos caricaturas ao vivo para bebês, crianças, mães e pais, nas capas do quarto número do Jornal Caricaras.

Esta performance de caricaturas com o jornal aconteceu graças a uma parceria com a André Diniz Produções, que tem levado peças e musicais de qualidade aos teatros de Piracicaba e região.

A foto acima é do Alexandre Lopes.

1 de jul de 2009

Veias saltando

Impressionante como há gente irada nos blogs da vida. Constatei o fato ao escrever sobre a Banda Calypso, e nas postagens sobre desenhos e desenhistas. "Irada" no sentido literal, não no sentido adolescente. Se bem que a ira nos blogs costuma ser comum aos comentaristas e aos adolescentes. Espécimes parecidos, ou os mesmos.

Imagino uma reação a uma postagem, vinda desses espécimes abundantes na blogosfera. As veias saltando no pescoço. O hálito espumante de ódio animalesco. A vontade de trucidar quem passa por perto, inclusive o gato simês, o cachorro linguiça e a calopsita que escapou da gaiola. Os dedos de chumbo que quase esmagam o teclado do computador, e isso porque a pessoa nem aprendeu a escrever em máquina de datilografar. E o fígado azedo na hora de espremer o cérebro para achar a melhor (ou a pior) palavra para desautorizar definitivamente o blogueiro.

O escrevinhador ousou ironizar, sacanear, desestruturar o dia do pobre usuário da internet.

O passo seguinte será o golpe de estado, a tomada do poder e o encarceramento desses blogueiros atrevidos, subversivos, estraga-prazeres. Até que a conexão cai e a autoridade feminina da vez (mãe ou esposa) chama o menino revoltado para jantar. E o mundo do ser brutalizado pelos blogueiros desumanos cai (mas só até a próxima postagem...)