9 de out de 2011

O peso de alguns quadrinhos sob medida

Tudo bem. Você deve gostar das "tirinhas" que saem nos jornais, revistas e internet.

Deve apreciar autores como Angeli, Laerte e Fernando Gonsales. Pode ser fanático por Mauricio de Sousa, que começou a Turma da Mônica ainda nas páginas de jornais.

Se for da Geração Internet, provavelmente acompanha o trabalho de Arnaldo Branco, Allan Sieber, André Dahmer e Orlandeli. Autores diferentes, épocas diferentes, veículos diferentes e cabeças diferentes.

Só que existe um outro tipo de história em quadrinhos. Geralmente desprezada pelos próprios autores do gênero, porque "não dá liberdade" para o autor. É a história em quadrinhos feita para empresas, com abordagem didática.

Ainda bem que sempre há as exceções que confirmam a regra. Uma tira de quadrinhos com o tal perfil "didático", mas criativa, é Pesado e Medido. O autor dos personagens é Pedro Luiz Montini, meteorologista que organizou a assessoria de divulgação e publicações do Ipem-SP, o Instituto de Pesos e Medidas paulista.

Montini e o Ipem publicaram um livro de tiras com os personagens citados. E conseguiram espaço no Salão Internacional de Humor de Piracicaba para expor o trabalho. A mostra de Montini está no Parque Engenho Central, no mesmo espaço da mostra principal do evento.

Quem for ao Salão, poderá conhecer as tiras expostas em dimensões maiores. E levar para casa um exemplar do livro do Ipem.

A primeira característica marcante de Pesado e Medido é o estilo de Montini. Ele aboliu tudo o que poderia poluir o visual da tira. Adotou as silhuetas, o contraste preto e branco, as formas geométricas, para expressar as situações e as gags.

O que poderia soar repetitivo ficou atraente. Afinal, tiras limitam-se à movimentação de pessoas falantes num espaço reduzido. Nada mais apropriado que reduzir ao essencial os recursos narrativos e visuais.

A tira de humor não é um quadro da Mona Lisa. E nem por isso deixa de ter o seu valor.

Outro acerto de Montini foi a opção pela piada solta, sem compromisso didático. Embora aborde temas relativos aos objetivos e serviços do Ipem, o autor preferiu explorar as disparidades da dupla, reprodutora da dinâmica das duplas cômicas do cinema e televisão.

Estão, e estiveram aí, Martin & Lewis, Abbott & Costello, Didi & Dedé, O Gordo & o Magro, Leandro Hassum & Marcius Melhem para não nos deixar mentir. Pesado é o cidadão rotundo da dupla. Medido é o cidadão desprovido de quilos extras.

Cada página do "Ipem-SP em Tiras" traz uma piada visual da dupla. E o que pode haver de explicação necessária para informar o leitor sobre a instituição está numa legenda abaixo dos quadrinhos, e não em discursos quilométricos saídos das bocas dos personagens.

O recurdo do didatismo disfarçado de encantamento pode enfraquecer a ação narrativa e afastar o leitor da história. Está aí também o mestre Monteiro Lobato para não nos deixar mentir. Quando usou o recurso do "instrui-diverte" nas aventuras do Sítio do Picapau Amarelo, não se deu bem.

Pedro Luis Montini, o autor das tiras mais divertidas e originais nas quais pus os olhos nos últimos meses, merece uma projeção maior, para além das fronteiras do Instituto de Pesos e Medidas. No site do Instituto, é possível baixar a versão virtual do livro.

Nem só de Angelis e Mauricios vive o leitor de quadrinhos. Desculpa aí.

Nenhum comentário: