10 de jun de 2012

Embrulhando peixe, embrulhando o estômago

Charges são perecíveis feito o jornal do dia. Por mais que apresentem piadas e desenhos decentes, elas tem vida curta. Pratiquei essa modalidade de humor gráfico algumas vezes, geralmente cobrindo férias de outro chargista.

A charge ao lado é de 2006. Mandei pro extinto Salão de Humor de Paraguaçu Paulista. Ações atribuídas ao PCC, em São Paulo, dominavam o noticiário.

Charge é imagem que vale por mil palavras. Às vezes, vale por um minuto de silêncio.

2 comentários:

Carla Ceres disse...

A gente percebe que está velho quando começa a poder explicar o contexto das charges antigas pros mais jovens. Velhos, mas com boa memória. :) Beijos!

Célia Rangel disse...

Tudo bem, Érico... que se embrulhe peixes ou o estômago o "digestório literário" anda tão vernacularmente indigesto, que "vale a pena ver de novo"... Politicamente correto.
Abraço, Célia.